fevereiro 02, 2017

(Textos Meus) Eu queria que estivesse aqui

Oi galera, tudo bem?Espero que sim.Eu já participei de algumas antologias, mas o projeto Palavra é Arte foi o primeiro e por isso tornou-se tão especial.Comecei a postar alguns textos no Recanto das Letras e o próprio Gilberto Martins me convidou para publicar um conto meu.Mencionei isso aqui e alguém me pediu para postar o conto, já que não possuo mais cópia alguma.Bora lá? :) 


                       Eu queria que estivesse aqui
(Para o meu padrinho.Gostaria que ele estivesse aqui)


Cristina terminou de fazer o bacalhau para a noite de Natal,sorrindo para os convidados:sua irmã mais velha,sua mãe idosa e sua filha do meio.Olhou para os lados,atenta á qualquer pista dada,mas suspirou fundo.O Victor estava em algum lugar longe o suficiente para superar um Natal perdido.Deixou o pano que estava envolta das mãos em cima da mesa da cozinha, e sorrindo saiu da casa onde a maioria da família hospedava-se naquela época.Cristina pegou a chave de casa e deixou algumas lágrimas caírem pelo seu rosto maquiado.Entrou em algumas ruas escuras e escutou um barulho estranho vindo da estação da Lapa.Suspirou fundo,receosa.Andou com cuidado pelas escadas que a levavam para a catraca e paralisou quando seus olhos avistaram seu filho do outro lado.Ele estava sentado no meio dos trilhos,falando com alguém que não existia.Uma árvore pequena iluminava seu sorriso de criança,junto com um cobertor do mesmo tamanho para esquentá-lo naquela brisa de Natal.Victor limpou algumas lágrimas do seu lindo rosto e continuou gesticulando palavras amorosas:
-Eu sinto sua falta,Amoura.

Cris assistiu a cena de longe e foi descoberta pelos olhos do filho.Ele deu um pulo dos trilhos e gritou:
-O quê faz aqui? - Sua mãe correu pelas escadas que a levavam para o outro lado da estação e pulou nos trilhos junto com o filho.Colocou seus braços em cima dos joelhos e sorriu,melancólica.
-Eu também sinto a falta dela.. – Cristina disse,com a cena voltando á sua cabeça.Amoura tinha cinco anos quando morreu e Victor estava por perto.Ela brincava de quem conseguia ficar mais perto do trem enquanto este estivesse passando em velocidade máxima e a fatalidade aconteceu.Era Natal.A mãe da criança morreu logo em seguida de desgosto.Todos estavam por perto,mas ninguém viu a brincadeira dos dois.Victor sofreria com isso o resto da vida.

-É um Natal perdido.. – Victor disse numa voz chorosa,contando sua idade dos dedos. – Vinte anos depois e eu nunca consigo me perdoar por isso...
-Mas você não teve culpa. – Cristina disse,pegando as mãos geladas do filho e colocando-as com as suas.
-Eu poderia ter dito “é uma brincadeira idiota”. – Victor resmungou,chorando.

-Você não sabia que ela faria isso. – Cristina insistiu,limpando as lágrimas no seu rosto.
-Eu nunca quis tanto que ela estivesse aqui como hoje.Hoje ela faria dezenove anos e eu prometi uma viagem á Nova York.Era minha melhor amiga...Eu odeio o Natal. – e a imagem lúcida e borrada de Amoura apareceu diante de seus olhos.Ela estava quase no começo do trilho,sorrindo elegantemente como sempre.Um sorriso de criança eterna.Victor suspirou,olhando suas mãos. “Odeio Natal”,praguejou novamente, e deitou no ombro da sua mãe ,chorando.

Nota: escutar Nightingale, by Demi Lovato.


Xoxo,

Carol

5 comentários:

Emylene disse...

Olá Carol. Estou bem, obrigada. Que texto lindo! Adorei cada detalhe dele. Amo textos assim, e a música da Demi combinou direitinho. Até mais! ♡ Eutheromania

Nessa disse...

Oie
Adorei seu conto, você escreve muito bem. Adoreii a reflexão.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Jorge Filho disse...

Oi Amor!

Sempre gostei da quantidade de sentimento que que você colaca nos seus textos. Sabemos por que o Gil te convidou ^^.

Beijinhos (Eu te amo)

Amado Jorge


Marijleite disse...

Olá, gostei muito do conto, curto mas já passou bem todas as emoções da história.

petalasdeliberdade.blogspot.com

Tay Ribeiro disse...

Deve ser horrível perder alguém importante ainda mais em datas festivas
você escreve muito bem
beijos
lolamantovani.blogspot.com.br

Postar um comentário