janeiro 09, 2017

(Resenha) O primeiro dia do resto da nossa vida, by Kate Eberlen

Informações técnicas
título: O PRIMEIRO DIA DO RESTO DA NOSSA VIDA
título original: Miss You
idioma: Português
páginas: 432
ano de edição: 2016
edição: 1ª

Sinopse
Tess e Gus foram feitos um para o outro. Só que eles não se encontraram ainda. E pode ser que nunca se encontrem...

Tess sonha em ir para a universidade. Gus mal pode esperar para fugir do controle da família e descobrir sozinho o que realmente quer ser. Por um dia, nas férias, os caminhos desses dois jovens de 18 anos se cruzam antes que os dois retornem para casa e vejam que a vida nem sempre acontece como o planejado. 

Ao longo dos dezesseis anos seguintes, traçando rumos diferentes, cada um vai descobrir os prazeres da juventude, enfrentar problemas familiares e encarar as dificuldades da vida adulta. Separados pela distância e pelo destino, tudo indica que é impossível que um dia eles se conheçam de verdade... ou será que não? 

O primeiro dia do resto da nossa vida narra duas trajetórias que se entrelaçam sem de fato se tocarem, fazendo o leitor se divertir, se emocionar e torcer o tempo todo por um encontro que pode nunca acontecer.

Eu não sabia o quê esperar por esse livro.Fiz o pedido para a editora parceira(Arqueiro e Sextante) na intenção de ser apenas um livro de romance bem bobinho.E no começo, até pensei assim, mas tudo virou de cabeça pra baixo no decorrer das páginas.

A capa do livro representa exatamente o que acontece: um dia Tess e Gus se conhecem, mas por uma intervenção do Destino precisam se separar.O livro ora é narrado por Gus, ora por Tess.No primeiro capítulo, conhecemos a história de Tess: extremamente feliz com sua melhor amiga Doll, participa de uma viagem de acampamento em Florença.A forma como Kate descreve cada momento delas faz com que tenhamos vontade de pegar um carro qualquer e sair por aí mundão afora.Enquanto Tess tenta estabelecer uma relação de fé com Deus para entrar numa boa faculdade, entra numa igreja qualquer e encantada pela estrutura e pela paz sentida, promete casar-se um dia ali.E um rapaz desconhecido aparece no mesmo segundo.


"Sabe quando você vê as pessoas de um jeito diferente no momento em que elas não sabem que você as está observando?Ela estava deitada com os olhos fechados,como se sua essência vital tivesse sido sugada,deixando-a sem nada por dentro,como uma sombra dela mesmo." Página 18 


Tess não é recepcionada muito bem pela família como desejava.A mãe parece exausta, o pai é um idiota bêbado e a irmãzinha pequena(Hope) é a única nessa história mal contada.Aqui nesse momento vemos como o livro entra em depressão.Ok, deixa eu me explicar melhor,rs.No começo da história, sentimos uma felicidade enorme em compartilhar com as duas meninas uma viagem engraçada e sem pretensão de tristeza.E de repente, tudo desaba: notamos uma enorme bola de neve familiar rolando.

Guss narra o segundo capítulo e logo de cara conhecemos outro drama familiar: o irmão faleceu, e ora parece que ele fica muito triste com isso, e ora feliz, pois o falecido era uma espécie de preciosidade para os pais, enquanto o outro sempre foi apenas um filho qualquer.E isso é comprovado com as atitudes ridículas dos pais dele.O pai é o tipo que gostaria que seu filho fosse médico, mas Gus não quer, mesmo fazendo de tudo para ter uma atenção total dele.

Confesso que no começo odiava um pouco o Gus, parecia muito sem graça e sem sentimento algum, mas depois que conhecemos a verdadeira história, entendemos cada palavra pronunciada e sentimento não descoberto nos dias descritos.
Um ponto mega positivo do livro é que citam Jane Eyre, e como já li por causa da faculdade, eu me senti importante,ahahahahaha.

Em suma, o livro é espetacular.É grande, mas cada página é necessária para a continuação da história e o final que surpreende qualquer pessoa fascinada por um bom romance clichê.Pode até ser clichê, mas de uma forma inesperada.Entenderam?

Espero que tenham gostado da resenha.

Xoxo,

Carol

4 comentários:

Somos Visíveis e Infinitos disse...

Oi Carol, tudo bem?
Que legal saber que é um bom livro! Não tinha visto ainda!
www.somosvisiveiseinfinitos.com.br
Vídeo novo: https://www.youtube.com/watch?v=AUVes2S-VFM
Beijos

Mundo Literário da Cecy disse...

Que história mais lindinha!
Já quero!!!

Beijooooo

http://mundoliterariodacecy.blogspot.com.br/2017/01/sorteio.html

Alana Marques disse...

Oi Carol.

Já li outras resenhas sobre esse livro e achei a premissa bem diferente, dentro dos padrões do clichê. Espero topar com ele um dia, acredito que seja uma leitura fácil e rápida.
Parabéns pela resenha.

Beijos.
Alana Marques
colecionadoresdelivross.blogspot.com.br

thaila oliveira disse...

Carol o que eu mais gostei foram os encontros e desencontros, isso porque me colocou pra pensar na similaridade da vida
http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

Postar um comentário