outubro 04, 2016

(Resenha) Apenas um garoto, by Bill Konigsberg

Informações técnicas
Ttulo: APENAS UM GAROTO
Título original: Openly Straight
Idioma:Português
Páginas: 256
Ano de edição: 2016
Edição: 1ª
Editora parceira do blog: Arqueiro


                                  Sinopse
Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa. Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco. O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.


Rafe é homossexual, mas saí da escola onde estudava por estar cansado dos rótulos.Narrado por ele, vemos a história de um garoto que não gostava de ser o que era e por isso, tentou ser outra pessoa.Em outro lugar.



"Eu estava pensando em como as cobras trocavam de pele todo ano e como seria maravilhoso se as pessoas fizessem isso também." Página 9



Saturado pelos nomes e piadinhas na escola que estudava, o menino decide recomeçar a vida num ambiente que só tem meninos.Tentou entrar para o time de futebol, na intenção de se enturmar e até parecer um garoto "normal", mas as coisas começaram a dar errado quando se apaixonou por Ben, um garoto heterossexual que tinha as mesmas ideias de Rafe, e também quando começou a perceber que o esporte não era para ele; preferia escrever e falar besteira com sua melhor amiga da outra cidade.


Rafe é uma nova identidade naquela escola para meninos.Tem outro nome, outras manias e até uma linguagem meio diferente, mas no fundo, continua com a mesma angústia e com os  mesmos medos de antes.Das piadas e dos rótulos.

O escritor aborda esse tema de forma engraçada no livro,mas não gostei muito.Não sei, acredito que tem muitos pais que confiam nas escolhas dos livros e o apoiam, mas por termos sido inseridos numa sociedade onde somos criados do mesmo jeito: homem PRECISA ficar com mulher, o baque de ter uma relação de duas com o mesmo sexo é sempre enorme.Acho que vocês me entendem né? Os pais dele aceitam essa questão de forma muito...solta...como se nem fosse nada.Aliás, meio irritante, vez ou outra.Sei que o humor aqui é para "acalmar" as coisas e fazer com que as pessoas reflitam de forma diferente sobre o tema, mas sei lá.Não gostei muito.


O livro é interessante porque descobrimos como os pensamentos são levados pelas outras pessoas.Como Rafe gostaria de ser uma pessoa "normal", porque a maioria do mundo é assim certo?Errado.Ele aprende que não adianta fugir de quem somos, a vida sempre nos levará de volta para nossas origens.E essa mensagem é muito bonita  e importante.

Espero que tenham gostado da resenha.

Xoxo,

Carol





0 comentários:

Postar um comentário