maio 12, 2016

(Andando por aí) Day Five

Eu não sei mais como classificar a confiança.Estou confusa com a extremidade de um sentimento tão simples.Quero dizer, o amor não vem acompanhado com a conjunção desse verbo "confiar"?Eu pensei que sim.Ok, talvez falar de amor(nesse caso) é exagerado.Mas o problema do meu coração é que suas diretrizes sempre desobedecem o que grito.Pensando em todas as brigas que criei e todas as vezes que me afastei de alguém, agora faz total sentido.Como vou fechar os olhos e entregar minha vida á alguém quando nem mesmo ela está disposta á fazer isso?Não estou falando de namorados e nem de família.Uma outra pessoa que considerei muito próxima.Alguém que mudava o clima que ora é pesado dentro do ambiente.Estou segurando o choro para escrever esses sentimentos.Estou simplesmente soltando as palavras, com a intenção de que tudo isso passe.De que o aperto no meu coração seja só mais um idiotice minha.Eu queria acreditar.Ah droga.Eu juro que tentei.Mas não consigo entregar metade, eu sou inteira.Minha mãe disse que é normal e que 90% das pessoas do mundo são assim.Que triste,hm?

Estive perambulando no meu coração nas últimas semanas.Pensei que estivesse sozinha,desamparada.Deus falou comigo.Deus esteve presente em todos os momentos que quis gritar e apagar certas pessoas da minha vida.É díficil crescer e aprender do pior jeito que a confiança depositada em Deus é a única recompensa por esses dias sombrios.Eu sempre fico sem saber o que fazer quando alguém parte meu coração no meio.Mantenho a pose de durona apenas para não cair.E aprendi que quanto mais forte me faço, mais dolorosa é a queda.Complexo né?

Choro.Tudo bem.Chorar elimina as partículas de raiva,ódio e rancor.Chorar liberta esse anjo que não sabe mais voar.Fecho os olhos.Se eu pudesse estar num lugar hoje?Queria ver Deus.E perguntar como conseguiu passar por todos os obstáculos.Não quero o caminho mais fácil, quero apenas o colo.De alguém que me entende.Mais do que a mim mesma.Eu já falei que amo Você hoje?Por todas ás vezes que teve paciência comigo.Por todos os choros que aguentou nos ombros.Por todos os ensinamentos.Por todos os abraços.Pelo seu infinito amor.

Eu só...queria entender como as pessoas podem mudar tanto.Para pior.Ok, estou tentando praticar o perdão, mas não sou idiota,caramba.Eu já dei uma chance, duas chances e até três...até quando vou ser o boneco de pano rasgado?Eu não sei se estou fazendo direito ou se minhas conclusões estão certas.Mas daqui para a frente vou confiar apenas na sua Divindade.Você é o pai que nunca tive.E sempre esteve aqui.Você é o melhor amigo silencioso.Mas que deposita o seu melhor em mim nos dias complicados.Você é meu amor.A confiança tem um significado agora.


                               

 Xoxo,

Carol

2 comentários:

Silviane Casemiro disse...

Oi, Carol. Gostie do texto... acho que me senti um pouco conectada.
Beijos
Estilhaçando Livros
Conheça o novo Cantar em Verso

Nathália Lopes disse...

Olá, Carol!
É difícil mesmo confiar em alguém, pois a confiança é algo frágil. Além de que muitas pessoas tem duas caras. Mas calma que tudo irá se ajeitar e você se sentirá melhor!
Beijos, Garota Vermelha
http://www.livrosdagarotavermelha.com.br/

Postar um comentário